cursos photoshop, livros photoshop, tutoriais photoshop, tutoriais flash, tutoriais 3ds max
Tutoriais de Photoshop mais populares...
tutorial Photoshop - bola de basquetebol tutorial Photoshop - faca de churrasco tutorial Photoshop - como fazer cabelo tutorial Photoshop - marcar a ferro quente tutorial Photoshop - como fazer um escudo tutorial Photoshop - como fazer uma lata de refrigerante
2 Agosto 2012 - por Magno Urbano

Trabalhando com sites de internet desde 1997, temos visto todo tipo de lixo e de amadorismo na internet.

Particularmente, incomoda-nos muito mais quando o amadorismo e o lixo parte de grandes empresas. Isso porque o pequeno utilizador, aquele que possui poucos recursos para desenvolver um grande site ou que está a aprender, nem sempre tem todos os conhecimentos necessários a criar uma grande experiência ao visitante, mesmo porque está a aprender.

Sim, experiência. Uma página de internet é uma experiência fornecida ao visitante. Assim como quando cria uma loja num centro comercial pretende dar aos seus clientes um bem-estar, um conforto, uma segurança e uma simplicidade, para que os clientes possam ficar satisfeitos no vosso estabelecimento comercial, assim também o é numa página de internet. É preciso seguir algumas regras básicas para criar uma satisfação no visitante e não esquecer de configurações básicas no sistema para tornar tudo minimamente interessante.

Neste artigo vamos dar algumas regras básicas compiladas à partir da nossa experiência profissional, para fazer um site como deve ser.

ESCOLHA DO SERVIDOR

  • O nosso sistema operativo preferido para criar sites de internet é o Linux/Unix. Não há nada que se compare a Linux/Unix em matéria de sistemas operativos para a criação de servidores de internet. Além disso o Linux/Unix é grátis. Gostamos muito do CentOS, por ser leve e pequeno. Há a opção do Mac OS X (que é Unix) como servidor, mas esses sistemas são caros e só devem ser escolhidos se pretende criar algo que deva correr no Mac OS X apenas;
  • O nosso servidor preferido é o Apache Web Server, que vêm gratuitamente com todos os sistemas Linux/Unix. É muito mais leve, mais rápido e mais poderoso do que outros sistemas concorrentes.
  • Para a base de dados, preferimos o mySQL, por ser grátis, poderoso e vir incluído nos sistemas Linux/Unix.

CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR - evite o amadorismo

  • Evite o amadorismo. Na hora de configurar um servidor Apache ou outro qualquer, faça-o responder ao endereço do site com e sem www. Cansamos de ver sites de grandes empresas que simplemente mostram páginas de erro quando tentamos visitá-los sem o www. Esse, ao nosso ver, é o amadorismo máximo que um webmaster pode cometer na criação de um site. Damos nota ZERO a todos os que cometerem essa gafe imperdoável.

PÁGINAS DO SITE

Hoje em dia, mais de 90% dos sites são baseados em sistemas dinámicos em vez de estáticos.

Num sistema estático, uma página de internet é feita em HTML, num editor deste formato. Isso significa que a página é fixa e não pode ser mudada a não ser que seja editada novamente. A desvantagem deste tipo de página é a seguinte: imagine que o site possui 300 páginas e em todas elas existe um cabeçalho com o logotipo da empresa e um pequeno texto com o email de contacto. Num dado instante deseja mudar o telefone. Vai ter de editar 300 páginas e mudar o telefone em cada uma delas. Se o site tiver 30 mil páginas vai entrar em desespero e querer por o computador numa fogueira.

Num sistema dinámico, por outro lado, os textos e/ou os elementos da página são gravados em bases de dados e as páginas são construídas de forma dinámica, quando o utilizador a visita. Assim sendo, no caso de ter de mudar um dado qualquer, bastará mudar uma vez na base de dados e esse dado vai estar actualizado, instantaneamente, em todas as páginas que o site tiver, sejam elas 100 ou 100 mil.

Para criar uma página dinámica, precisa de ter um sistema de base de dados instalado no servidor e um sistema que permita a criação de páginas dinámicas. Um deles é o PHP (que preferimos pela simplicidade). Entretanto existem outros sistemas como o JSP, python, perl, etc. Escolha aquele que preferir. Python e Perl são mais rápidos, mas não são indicados para aprendizes, já que programar nestas linguagens é muito mais complicado. Se quer simplicidade, escolha PHP.

REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA EXPERIÊNCIA

  • Crie páginas que entrem em, no máximo 6 segundos, mas que já comece a mostrar alguma informação com depois de decorridos 2 ou 3 segundos. O Google fez uma pesquisa na qual descobriu que 47% dos visitantes desistem de um site que demore mais do 3 segundos para carregar. Sim, leu certo, 3 segundos. Nem que se este demora mais do que 15 segundos para entrar e que 79% deles nunca mais voltam. Além disso, 52% dos visitantes responderam que a velocidade é importante fazê-los voltar a visitar um site. Isso sem falar que 44% dos visitantes insatisfeitos informaram terem falado mal de um site lento para um amigo.
  • Cada segundo é importante – De acordo com as pesquisas do Google, para casa segundo a mais que a página demore a carregar, para além dos 3 segundos máximos, há um decréscimo de 16% na satisfação do visitante.
  • 250 milisegundos a menos – Ainda segundo o Google, apenas 250 milisegundos são necessários para fazer um site perder um visitante para outro que seja mais rápido; 
  • Não crie páginas com bonequinhos que façam xixi no canto, nem com cães a lamber a página, nem outras baboseiras (GIFs animadas) que poluam o design e deixam o site lento. Seja objectivo.
  • Não crie sistemas de menus animados que se desdobram, rodam, expandem, etc. Tudo o que dificulte o clique deve ser evitado. Crie links estáticos que sejam fáceis de clicar. Teste o site com alguém que possua pouca experiência em informática. Se a pessoa tiver dificuldades para navegar no site, o design do site não presta. O site tem de ser tão fácil que possa ser clicado e navegado por um macaco analfabeto vestindo fio-dental, de óculos escuros e que esteja a desfrutar o sol numa praia francesa da Cote D’Azur. Se o macaco não conseguir, crie outro site (se sabe inglês assista ao vídeo Don’t Make Me Click, no final deste artigo. Vale a pena.)

Não sabe inglês? Desculpe-nos dizer isso, mas aconselhamos a aprender. Não saber inglês nos dias de hoje é como visitar uma civilização extra-terrestre que está um milhão de anos mais avançada e não ter forma de entender a língua alienígena. Quem não sabe inglês está automaticamente privado dos melhores e mais recentes conhecimentos do mercado e vai ter de ficar a espera de alguém traduzir (o que vai acontecer depois que aquele conhecimento estiver obsoleto). Portanto, sem saber inglês vai estar sempre vários passos atrás daqueles que sabem, pois a eles vai ser possível ler textos, livros e outros documentos sempre publicados primeiramente em inglês.

  • Páginas em Flash? O que é isso? Nem pensar. O Flash acabou há pelo menos seis anos. Até a Adobe reconheceu isso. Precisa de animações, use HTML 5 + JavaScript e CSS3. O mesmo é válido para applets em Java (que são lentos, irritantes, feios e problemáticos). Ao evitar Flash e Java na criação de um site, está a permitir que o mesmo seja visto pelos dispositivos móveis como iPhone, iPad, Andoid, etc., já que estes dispositivos só são capazes de mostrar páginas em HTML 5;
  • Não polua. Não irrite o visitante. Crie o site de maneira a informar o visitante acerca apenas do necessário. Se está a fazer uma página para explicar e vender um produto, faça-o de forma clara de uma só vez. Não faça o utilizador clicar em zilhões de links para obter informações;
  • Crie páginas que funcionem nos pricipais navegadores, ou seja, Safari, Firefox, Chrome e Internet Explorer 8 ou superior. Esses quatro navegadores são utilizados por praticamente 100% dos visitantes. Não irrite o macaco que está lá na praia francesa, criando um site que só permita ser visto no Internet Explorer ou num navegador qualquer em particular;
  • Teste o site. Não cometa o amadorismo de ter um formulário de contacto num site, que não funciona quando utilizado (cansámos de ver isso em grandes sites);
  • Não faça sites que sejam cartões-de-visita. Milhares de empresas fazem isso, ou seja, criam sites feios que ficam anos na internet, sem qualquer actualização e que são apenas cartões-de-visita, para apresentar a empresa. O pior desse tipo de site é que são feitos para empresas amadoras, que não reconhecem o valor da internet como ferramenta de venda. Assim sendo, investem zero na criação do site, deixando que sejam feitos pelos "sobrinhos da Dona Francisca que têm talento para a coisa". No final das contas temos sites onde os responsáveis jamais lêem os emails enviados a partir dos mesmos, deixando os clientes frustrados.
  • Actualize o site periodicamente – Se caiu no amadorismo de criar um site cartão-de-visita, pelo menos actualize-o periodicamente com notícias sobre a empresa, novidades, etc. Mostre que a empresa está a fazer um esforço para entrar no século XX (sim XX, pois se fosse XXI tinha um site dinámico). Actualizar periodicamente é algo válido para todos os tipos de site;
  • A vossa empresa ainda está na era do FAX? Não crie páginas de contacto onde o contacto precisa de ser feito por FAX ou por telefone. FAX e telefone são tecnologias do passado. O FAX foi inventado em 1964 e o telefone muito antes disso. Ninguém tem mais usa esses meios como formas principais de comunicação, somente empresas que não evoluiram. Nem mesmo a Xerox que inventou a tecnologia produz mais aparelhos de FAX. Não irrite o nosso macaco. Nada mais velho do que FAX. Esconda o seu FAX no porão da empresa e tranque-o a sete chaves.
  • Nunca crie páginas de contacto onde é pedido o telefone do visitante para resposta. Isso mostra que a empresa é antiquada. Contente-se com o email. Para a vossa informação, 90% das pessoas não gostam de fornecer o telefone de contacto, pelo simples facto de que temerem ser bombardeadas com propagandas, posteriormente, ou com contactos insistentes da empresa. Siga uma regra simples: responda aos contactos feitos pela internet por email, aos contactos feitos pelo telefone, pelo telefone e aos contactos primitivos feitos por FAX, com FAX. Não deixe o macaco ficar triste. 
  • Ao colocar um formulário de contacto num site, leia os emails enviados pelos visitantes todos os dias, se possível mais de uma vez ao dia e responda a todos. Se alguém está a fazer uma crítica ou sugestão ao site, utilize isso para melhorar o site. Se recebe um volume grande de emails e demora a respondê-los informe ao cliente o tempo que demorará para que seja enviada uma resposta.
  • Não crie formulários de contacto que exijam o preenchimento de dados inúteis. Porque razão um formulário de contacto deve pedir o número de um documento de identificação do visitante como passaporte, carta de condução ou outros? Um formulário de internet pode até conter mais campos, mas deve ter como obrigatórios apenas o nome, email e o texto de envio. O resto é irritante e vai fazer com que o utilizador preencha dados falsos. Quem ainda não digitou 9999999 num campo que obriga a colocar o telefone de contacto?

Para finalizar, não perca o vídeo Don’t Make Me Click (Não Me Faça Clicar), que mostra alguns exemplos do que se deve ou não fazer. 

 

 

 

 

 

tags: Dicas

 

 

Se gostou desse artigo...
::
receba as novidades deste site por e-mail!

 

o seu nome:
a mensagem:
 

 


Dê a sua opinião sobre este artigo

O seu nome

O seu e-mail

Opine sobre este artigo

Por favor copie o texto... zdsJO5 na caixa seguinte:

CAPTCHA image

Curso Photoshop CC Curso Photoshop CC para iPad Curso Photoshop CC para iPhone Curso Photoshop CC para iPad Curso Photoshop CC para Mac Curso Photoshop CC para Apple TV

 

Ferramentas

Google PageRank
Conteúdo Duplicado

Categoriais

 ddddddd

Arquivos